Vendas no Ceagesp crescem 14%, mas lucro de comerciantes é baixo

Preços das frutas e legumes estão mais baratos para o consumidor. Clima ajudou e até a qualidade dos produtos está melhor neste ano.

396

Em janeiro deste ano foram vendidas 3.976 toneladas de alimentos, 496 quilos a mais em relação ao mesmo período de 2016, quando foram 3.480 toneladas. A explicação de alguns vendedores é que isso aconteceu por causa dos preços que estão mais baixos.

Produtos vendidos por Leandro César Teixeira estão mais baratos e lucro é baixo em Araraquara (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)Produtos vendidos estão mais baratos, mas lucro
é baixo (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)

A caixa de cebola que o vendedor João Antônio Segatto costumava a comercializar por R$ 30, por exemplo, está saindo por R$ 20. “Produção é um item importante, quando o tempo ajuda há um excesso do produto”, disse.

Preços baixos, lucros baixos
No caso dos produtos vendidos por Leandro César Teixeira, a diferença é ainda maior. “A batata no ano passado estava na casa de R$ 150 a saca, hoje está na casa de R$ 50”, disse.

A baixa nos preços aumentou as vendas dele em cerca de 20%. “Atrai as vendas, mas o lucro é bem reduzido, porque você trabalha muito em função de promoção”, ressaltou Teixeira.

O cliente acabou ficando com a vantagem. Em um varejão de São Carlos vários itens apresentaram queda. Em um ano a cebola foi de R$ 5,99 para R$ 2,19 o quilo. A batata de R$ 4,16, para R$ 2,69 e a manga, que estava por R$ 5,28 agora está R$ 2,60 o quilo.

Legumes, verduras e frutas estão mais baratos e com melhor qualidade (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)Legumes, verduras e frutas estão com melhor
qualidade (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)

Melhor qualidade dos produtos
O quilo do tomate chegou a custar R$ 8,99 no ano passado e agora está por R$ 3,99. Além disso, a melhor qualidade do produto é mais evidente. “O ano de 2016 repercutiu o que aconteceu em 2015, que foi aquela escassez de chuva. Como 2016 já foi um ano melhor de água vieram produtos melhores com preços melhores”, explicou a gerente do varejão Lucimara Callegário.

Alívio para o bolso
O economista Jonatas Rodrigues da Silva explica que, como as frutas e legumes dependem muito do clima, a variação de preço não pode ser vista como indicador de que a economia melhorou, mas ele afirma que, enquanto ficar assim, o bolso do consumidor final será beneficiado. “Alimentação reflete em 30%, 35% do orçamento de uma família. Uma queda de 10%, 5%, tem uma diferença que pode sobrar para essas famílias gastarem em outras áreas”, disse.

Legumes, verduras e frutas estão mais baratos e com melhor qualidade (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)Preços favorecem o consumidor que pode gastar em outros setores (Foto: Felipe Lazzarotto/ EPTV)
Fonte: G1
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comments

comments